7.11.09

Plano de aula do Complemento para as Lições Bíblicas: DAVI E A CASA DE SAUL

PLANO DE AULA


PARA PORTAL ESCOLA DOMINICAL
QUARTO TRIMESTRE DE 2009

TEMA – : Davi – as vitórias e derrotas de um homem de Deus

COMENTARISTA : José Gonçalves

                
APÊNDICE Nº 1 – DAVI E A CASA DE SAUL

1º SLIDE                               
Texto áureo: “E disse Davi: Há ainda alguém que ficasse da casa de Saul, para que lhe faça bem por amor de Jônatas?”  (II Sm.9:1)
2º SLIDE  INTRODUÇÃO
- Neste trimestre letivo, que estamos a estudar a vida de Davi, resolvemos acrescer as lições de alguns apêndices que complementam a história desta grande personagem bíblica.
- Iniciaremos estes acréscimos com um estudo a respeito do relacionamento de Davi com a casa de Saul, episódios que mostram o coração bondoso que Davi possuía, mas que também ilustra que Deus é justo e que ninguém é bom senão Deus (Mt.19:17; Mc.10:18; Lc.18:19).
3º SLIDE  I – A BONDADE DE DAVI PARA COM MEFIBOSETE
- Como uma prática costumeira e encontradiça na história de todos os povos, era comum que, uma vez entronizado um rei que não pertencesse à família do rei anterior, fossem os familiares do rei substituído mortos, visto que, certamente, seriam um natural foco de oposição ao novo governante. Era costume, pois, na mudança de uma dinastia (isto é, da família reinante), que todos os integrantes da dinastia substituída fossem mortos.
- Davi assumiu o reino, após vencer uma guerra civil com Isbosete, o único filho de Saul que havia sobrevivido à batalha de Gilboa (I Sm.31). Assim, era natural que quisesse o extermínio da família de Saul, como forma de se confirmar no reino.
4º SLIDE
- No entanto, Davi era um homem segundo o coração de Deus, um governante diferente, que sabia que havia sido escolhido por Deus e que devia o trono à ação divina. Sendo assim, ao contrário do que todos costumavam fazer, não quis a destruição da casa de Saul, seu antecessor.
- Quando Isbosete ainda vivia, conseguiu que este lhe devolvesse sua ex-mulher Mical, que Saul havia dado a outro homem, restaurando-lhe a dignidade de sua mulher e, por conseguinte, como uma das rainhas do país, após subir ao trono.
5º SLIDE
- Logo após a morte de Saul e de seus filhos, entre eles Jônatas, Davi mostrou que seria um governante diferente. Ungido como rei de Judá, Davi fez questão de mandar elogios aos moradores de Jabes-Gileade por terem providenciado sepultura aos corpos de Saul e de Jônatas, tornado “troféus” nas mãos dos filisteus e exibidos em suas cidades, numa clara demonstração de que não tinha qualquer sentimento vingativo contra a casa de Saul (II Sm.2:5-7).
- Uma vez confirmado no reino, Davi, não contente com o fato de ter trazido Mical para o palácio, lembrou-se do pacto que havia feito com Jônatas, filho de Saul, segundo o qual cada um prometera ao outro que não permitiria que as respectivas descendências se extinguissem (I Sm.20:11-17).
6º SLIDE
- Davi estava disposto a cumprir o juramento que fizera a Jônatas e, então, busca saber se ainda havia alguém da casa de Saul que ele pudesse beneficiar, por amor a Jônatas. Foi, então, chamado, um servo da casa de Saul, chamado Ziba, a fim de que informasse o rei se restara alguém da casa de Saul (II Sm.9:1-3).
- Ziba, que, embora fosse servo da casa de Saul, estava praticamente livre, vez que não havia mais a quem servir, muito provavelmente imaginando que Davi iria pôr fim a todos os descendentes de Saul e disto ele tiraria proveito, indicou a Davi que ainda havia restado um filho de Jônatas, chamado Mefibosete, aleijado de ambos os pés, que estava na casa de Maquir, em Lo-Debar.
7º SLIDE
- Ao saber da existência deste filho de Jônatas, Davi manda que ele fosse trazido até Jerusalém. Mefibosete chegou e, naturalmente, temendo por sua vida, prostrou-se diante de Davi, como a pedir clemência, dizendo-se servo de Davi. O rei, porém, disse a Mefibosete que não temesse e que, ao contrário do que se imaginava, o havia chamado para lhe fazer bem, restituindo tudo que era de Saul e, ainda, dizendo que, de contínuo, Mefibosete comeria pão na mesa do rei, tendo, pois, “status” de príncipe, de filho do rei (II Sm.9:4-7).
- Mefibosete, demonstrando toda a sua humildade, perguntou, então, a Davi quem era para que tivesse tamanha honra, já que se considerava um cão morto, mas Davi chamou Ziba e lhe comunicou que Mefibosete passava a ser dono de tudo quanto era de Saul e que Ziba deveria tornar a servir a casa de Saul, agora a Mefibosete, juntamente com seus quinze filhos e vinte servos (II Sm.9:8-13).
8º SLIDE
- Algumas lições espirituais neste episódio de Davi e Mefibosete (I):
a) Davi tipifica o nosso Deus, que, podendo executar justiça contra o homem que Lhe desobedeceu, prefere, porém, usar de misericórdia, permitindo-lhe uma nova oportunidade para ter comunhão com Ele.
b) Mefibosete (“ele espalha”, “ele extermina”, “vergonha”) simboliza o ser humano, que estava em Lo-Debar, ou seja, no lugar chamado “nada”. - Sl 8:4; 144:3.


c) Davi convocou Mefibosete para que comparecesse a Jerusalém – a salvação não tem qualquer iniciativa humana, pois o homem, por si só, não tem como comparecer à presença de Deus.
9º SLIDE
- Algumas lições espirituais neste episódio de Davi e Mefibosete (II):
d)  Mefibosete aceitou o convite do rei e foi até a sua presença. Lá chegando, prostrou-se diante do rei e se disse seu servo - sem arrependimento dos pecados, sem submissão à vontade de Deus não há salvação.
e) Mefibosete apresentou-se ao rei em Jerusalém - para o homem alcançar a salvação, é preciso que deixe o pecado, que deixe os ídolos, que abandone a vã maneira de viver.
f) Mefibosete foi para Jerusalém e lá chegou porque tomou o caminho certo -  somente alcançaremos a salvação se tomarmos o caminho certo, que é Jesus Cristo.
10º SLIDE
- Algumas lições espirituais neste episódio de Davi e Mefibosete (III):
g) Diante do arrependimento, da adoração e da confiança demonstrada, Mefibosete encontrou o favor do rei -uma vez salvo, o homem recupera a posição que havia perdido no Éden, ou seja, passa a ter comunhão com Deus, a ter uma vida de contínuo na mesa do rei, a desfrutar da intimidade, da orientação, da companhia e do amor do Senhor – a verdadeira “restituição”.
11º SLIDE   II – DAVI E MICAL
- Na sequência do estudo do relacionamento com Davi com a casa de Saul, veremos, ainda que sucintamente, o relacionamento de Davi com a filha de Saul, Mical, sua primeira mulher.
- Davi recebeu Mical como sua mulher, pelo dote de cem prepúcios de filisteus (na verdade, ele entregou duzentos). Saul, sabendo que Mical amava Davi, procurou, com astúcia, fazer com que o jovem, em luta contra os filisteus para conseguir este dote, morresse neste embate, o que, porém, não teve o resultado pretendido por Saul (I Sm.18:20-28).
12º SLIDE
- O texto sagrado faz questão de dizer que Mical amava Davi, mas nada fala sobre o sentimento de Davi para com Mical. Não podemos especular a respeito disto, mas Davi não se esforçaria tanto se não viesse, pelo menos, com simpatia Mical, se não gostasse dela, até porque demonstrou, desde o episódio do gigante, que tinha interesse em se casar.
- Quando Davi fugiu para não ser morto por Saul, avisado por Mical, que demonstrou seu amor para com Davi avisando-o da armadilha de Saul, ainda que corresse risco de morte com isto, Saul deu Mical como mulher a outro homem, Palti, filho de Laís (I Sm.25:44).
13º SLIDE
- Durante a guerra civil com Isbosete, Davi pediu ao seu oponente que lhe fosse devolvida Mical, sendo, surpreendentemente, atendido pelo filho de Saul, que, com este gesto, mostrava não querer entrar em atrito com Davi (II Sm.3:13-15). O texto sagrado diz-nos que Paltis saiu atrás de Mical, chorando atrás dela, prova de que muito a amava, mas nada fala sobre o comportamento de Mical, que, de qualquer maneira, voltava ao convívio do que homem que amava e que estava em posição de proeminência.
- Davi não soube cultivar este amor de Mical por ele. Na verdade, Davi, embora tenha pedido de volta a Mical, não devotou nenhum cuidado nem proeminência a Mical, que, inclusive, não tinha filhos de Davi, a indicar que Davi nem ao menos tinha intimidade sexual com a filha de Saul. Entendeu Davi que, ao restituir Mical a sua condição de mulher de Davi, tinha cumprido o seu papel.
14º SLIDE
- Mical, como toda mulher, sentiu-se desprezada e o seu amor se tornou em rancor, em amargura. Tal situação atingiu seu clímax quando Mical, ao ver Davi cantando e dançando com o povo na cerimônia de trazida da arca do testemunho para Jerusalém, ter desprezado Davi em seu coração e, por causa de tal desprezo, acabar repreendendo publicamente o rei, o que era uma falta extremamente grave, seja para uma mulher, seja para um súdito (II Sm.6:16,20-22; I Cr.15:29).
- Como resultado desta repreensão pública, Davi a repreendeu, lembrando que era o escolhido de Deus em lugar de Saul, pai de Mical, para reinar sobre Israel, Esta atitude tresloucada de Mical, ficou ela estéril e não teve filhos até o dia da sua morte (II Sm.6:23).
15º SLIDE
- Lições espirituais e familiares do relacionamento de Davi e Mical (I):
a) o marido não deve negligenciar o amor de sua mulher.
b) um relacionamento conjugal não se sustenta por força da manutenção das aparências ou por interesses humanos, ainda que haja vantagens para ambas as partes.
c) a vida espiritual com Deus tem preferência à vida conjugal, que, porém prefere à vida eclesiástica ou ministerial.
16º SLIDE
- Lições espirituais e familiares do relacionamento de Davi e Mical (II):
d) não podemos, de forma alguma, deixar esfriar o amor que temos pelo Senhor, como fez Mical em relação a Davi. O caminho do esfriamento do amor:
a) Mical teve vergonha de declarar seu amor por Davi a Saul e mentiu.
b) Mical deu mais valor a sua vida que ao amor por Davi.
c) Mical aceitou casar-se com outro homem, a quem realmente tratou bem.
d) Mical retornou por interesse e, por isso, nutriu desprezo no coração.
e) Mical foi levada ao insulto público a Davi, o que a levou à maldição da esterilidade.
17º SLIDE   III – DAVI E MEFIBOSETE
- Quando se fala da história de Davi e de Mefibosete, costuma-se tão somente contar a bondade demonstrada pelo rei ao neto de Saul e filho de Jônatas. No entanto, existe outro episódio a envolver não só ambas as personagens, como também o servo de Saul, Ziba, que é relatado quando da revolta de Absalão.
- Quando Davi recebeu a notícia de que Absalão se proclamara rei em Hebrom e que tinha a seu lado o povo, prudentemente resolveu sair de Jerusalém, fugindo, a fim de que, se pudesse, organizasse a resistência contra o usurpador. Na sua fuga, levou seus familiares, deixando apenas dez concubinas para guardar o palácio real (II Sm.15:14-16).
18º SLIDE
- Mefibosete pediu a Ziba que lhe albardasse um jumento, mas Ziba, vendo nesta situação uma oportunidade para ter aquilo que almejara e não conseguira antes, ou seja, os bens que haviam sido de Saul e agora eram de Mefibosete, saiu de Jerusalém e foi ao encontro de Davi, deixando Mefibosete em Jerusalém (II Sm.19:26).
- Ziba encontrou Davi quando este descia do monte das Oliveiras (II Sm.15:30; 16:1), após ter se entrevistado com Husai, depois de ter adorado o Senhor. Davi estava psicológica e fisicamente abalado, sabia que Absalão tinha muito melhores condições de reinar e, deste modo, corria risco de morte. Estava, além disso, extremamente cansado, quase que esgotado fisicamente, até porque já não era um jovem.
19º SLIDE
- Ao encontrar-se com Ziba que, astutamente, vinha com um par de jumentos albardados e sobre eles duzentos pães, com cem cachos de passas, com frutas de verão e com um odre de vinho, perguntou o rei qual era a pretensão do servo de Mefibosete. Ziba, então, disse que todo aquele mantimento era para o rei e seus homens.
- Em seguida, Davi perguntou sobre o paradeiro de Mefibosete e Ziba, então, maldosamente, disse que Mefibosete ficara animado com a rebelião, achando que, com ela, ele se tornaria rei de Israel, pois haveria a restauração da casa de Saul. Davi, sem pensar duas vezes, sem se lembrar do comportamento e conduta exemplares que Mefibosete apresentava na corte, pois, afinal de contas, comia de contínuo da mesa do rei, era pessoa que desfrutava da intimidade de Davi e de sua família, irado, abalado pelos presentes trazidos por Ziba, sem que desse qualquer chance a Mefibosete, tomou tudo o que era de Mefibosete e o deu a Ziba que, radiante, inclinou-se diante de Davi (II Sm.16:3,4).
20º SLIDE
- Davi fugiu, Husai conseguiu transtornar o conselho de Aitofel, que era o homem mais sábio daquele tempo e Davi acabou por vencer Absalão, recuperando o trono. Ao voltar para Jerusalém, Mefibosete foi encontrar-se com Davi, barbudo e mal-cheiroso, visto que não havia feito a barba nem lavado seus vestidos desde que Davi havia fugido de Jerusalém.
- Davi, então, tardiamente, pergunta a Mefibosete porque ele não o havia acompanhado e Mefibosete contou-lhe a verdade, de como fora enganado por Ziba. Davi, então, caiu em si, pois viu que fora extremamente injusto com Mefibosete, que havia intercedido a Deus, a favor do rei durante todo o tempo da rebelião. Tentou, então, remediar a situação, dizendo que Ziba e Mefibosete repartissem o patrimônio meio a meio, ao que Mefibosete disse que tudo poderia ficar com Ziba, pois o que ele mais queria era o bem-estar do rei, a resposta às suas orações, o que ele havia alcançado (II Sm.19:24-30).
21º SLIDE
- Alguma lições espirituais do episódio de Davi e Mefibosete na revolta de Absalão (I):
a) não podemos decidir precipitadamente, máxime quando nos encontramos abalados psicológica, física e espiritualmente. O adversário de nossas almas sempre está à espreita, buscando a ocasião quando “descemos do cume do monte” para nos atacar e nos fazer errar.
b) não nos deixemos levar pelo “presente de Ziba” e, por causa dele, cometer injustiça – o inimigo está sempre pronto a nos apresentar ofertas atraentes para que pequemos, precisamente quando “descemos do cume do monte”.
c) não podemos deixar o cume do monte, ou seja, não podemos sair da presença do Senhor.
d)  Assim como Mefibosete, o salvo que está em comunhão com o Senhor deve se afligir pelos irmãos, intercedendo por eles inclusive com jejum.
22º SLIDE
- Algumas lições espirituais do episódio de Davi e Mefibosete na revolta de Absalão (II):
e) Mefibosete, desta feita, foi ao encontro do rei. – o salvo em comunhão com o Senhor tem pleno acesso a Deus por meio de Jesus Cristo (Hb.10:20-22).
f) Mefibosete não mentiu quando se apresentou a Davi – o salvo fala a verdade (Ef.4:25).
g) Mefibosete estava satisfeito com o bem-estar do rei e não fez questão de ter metade do patrimônio – ao salvo basta a graça, não tem ganância pelos bens materiais.
23º SLIDE  IV – DAVI E SIMEI
- Outro episódio a envolver Davi com a casa de Saul é a que se refere a Simei, um homem da casa de Saul, que, em Baurim, pequena aldeia situada na estrada que levava Jerusalém a Jericó, onde, aliás, morara Mical com Paltis, quando Davi fugia de Absalão.
- Ao passar por Baurim, Simei foi ao seu encontro e começou a apedrejá-lo, amaldiçoando a Davi, chamando-o de homem de sangue e homem de Belial, dizendo que o Senhor estava agora a dar o devido pagamento por todo o sangue da casa de Saul e que Davi perdera o reino para seu filho Absalão (II Sm.16:5-8).
24º SLIDE
- As palavras de Simei mostram-nos como age o inimigo de nossas almas, que é o “diabo”, isto é, o acusador, o caluniador. A partir de uma verdade, que devia ser de todos conhecida, ou seja, de que Davi era um homem de sangue, construiu-se um edifício de mentiras.
- Simei lembra-nos que existem pessoas que não demonstram seu ódio e rancor senão nos momentos difíceis de nossas vidas – precisamos ter discernimento espiritual.
25º SLIDE
- As mentiras e calúnias de Simei: a) apedrejou Davi, transformando o rei em um criminoso da pior espécie, pois o apedrejamento era pena para os mais graves crimes na lei de Moisés; b) a partir da constatação de que Davi era homem de sangue, passou a dizer que Davi estava a pagar o preço pelo derramamento do sangue da casa de Saul, algo que jamais ocorreu.; c) chamou, também, a Davi de “homem de Belial”, ou seja, de “homem mau”, “homem perverso”, quando, ao contrário, era ele “homem segundo o coração de Deus”. ; d) lançou sobre Davi uma falsa profecia, dizendo que Deus havia tirado o reino de Davi e dado a Absalão; e) ia ao longe do monte, levantando poeira.
26º SLIDE
- Ao ouvir estas coisas, Abisai, irmão de Joabe, propôs ao rei que Simei fosse morto. Abisai, aqui, era mais um agente do inimigo de nossas almas.  – não podemos pagar o mal com o mal, mas o vencer o mal com o bem. – Rm12:2.
 - Davi não cedeu à tentação e discerniu que Simei fazia aquilo por ordem divina.
27º SLIDE
- Davi prosseguiu seu caminho, não dando confiança às ofensas e calúnias de Simei, que continuou a atirar pedras e a levantar poeira (II Sm.16:13). Simei ia ao longe do monte e levantava poeira.
- Na sequência do caminho, Davi e seus homens embora tivessem chegado cansados, alcançou o lugar de refrigério (II Sm.16:14).
28º SLIDE
- Não devemos dar confiança às calúnias do diabo ao longo de nossa jornada. Não podemos querer resolver as falsas acusações com a prática do mal, que é o que o diabo quer, pois, assim, pecaremos e perderemos a salvação. Prossigamos a nossa caminhada, confiando em Deus e deixando a Ele a solução dos nossos problemas. Apenas não deixemos de olhar para Jesus, o autor e consumador da nossa fé, correndo a carreira que nos está proposta (Hb.12:1-3). Ao final da nossa jornada, acharemos, juntamente com os irmãos, o descanso para as nossas almas, que não é aqui neste mundo (Mq.2:10).
29º SLIDE
- O Senhor, assim como esperava Davi, olhou para a sua miséria e pagou com bem a maldição lançada por Simei. Davi retornou ao trono e, num gesto de que era realmente de coração que havia deixado a solução do problema para o Senhor, perdoou a Simei, que, incontinenti, prostrou-se diante do rei assim que ele passou o Jordão (II Sm.19:18-23).
- Simei confessou o seu pecado diante do rei e lhe pediu perdão. Abisai, uma vez mais, quis que Davi mandasse matar o caluniador, mas Davi, fiel ao seu propósito inicial, perdoou a Simei, dizendo que ele não morreria e confirmando isto com juramento. Simei alcançou o perdão do rei e Davi cumpriu a sua promessa, não o matando. Antes, porém, de morrer, lembrou a Salomão o mal que Simei havia feito e Salomão lhe impôs a prisão domiciliar em Jerusalém. Simei acabou morto porque desobedeceu a Salomão, saindo de Jerusalém (I Rs.2:8,9; 36-46). Com Simei, temos a mesma lição que aprendemos com Davi: o pecado é perdoado mas as suas consequências nos seguem inevitavelmente.
30º SLIDE  V – DAVI E OS DEMAIS FILHOS DE SAUL
- Neste estudo do relacionamento de Davi com a casa de Saul, resta-nos, tão somente, falarmos do episódio que envolveu o enforcamento de alguns descendentes de Saul, mencionado em II Sm.21.
- Diz-nos o texto sagrado que sobreveio uma fome de três anos sobre Israel. Davi, então, consultou ao Senhor qual o motivo daquela situação e o Senhor lhe disse que a fome havia sobrevindo sobre Israel por causa de Saul e da sua casa sanguinária, porque haviam matado os gibeonitas (II Sm.21:1).
31º SLIDE   - Lições que se tiram de II Sm.21:1: a) Deus está no absoluto controle de todas as coisas.; b) Deus cuida de todos os homens, mesmo os mais humildes e simples;c) Deus tem, entre Suas formas de agir, o uso da natureza; d) Davi nada fazia sem antes consultar ao Senhor e Deus quis que houvesse justiça.
32º SLIDE
- Davi chamou os gibeonitas e disse o que desejariam para que se fizesse a devida reparação. Os gibeonitas disseram que não queriam prata nem ouro, mas que se lhes dessem sete homens, a fim de que fossem eles enforcados em Gibeá, a cidade de Saul.
- Davi entregou nas mãos dos gibeonitas, os filhos de Rizpa, a concubina de Saul, ou seja, Armoni e outro também chamado Mefibosete, como também os cinco filhos da irmã de Mical, quie tivera de Adriel, filho de Barzilai. Todos foram enforcados pelos gibeonitas (II Sm.21:4-9).
33º SLIDE
- Davi fez aquilo por ordem divina, não era da sua vontade que se derramasse sangue da casa de Saul, mas a casa de Saul havia sido sanguinária e Deus, então, não poderia deixar que isto ficasse impune. Não foi Davi quem os enforcou, mas, sim, os gibeonitas.
- Numa clara demonstração de que Davi não se agradara desta situação, ao saber que Rizpa não permitiu que os corpos dos enforcados fossem atacados pelos abutres e por outros animais carniceiros (II Sm.21:10), resolveu dar uma sepultura digna não só aos enforcados mas a toda a casa de Saul, mandando que fossem desenterrados os ossos de Saul e de Jônatas e que, juntamente com os enforcados, fossem todos sepultados em Zela, na sepultura da família, pois ali estava sepultado Cis, o pai de Saul (II Sm.21:11-14).


Caramuru Afonso Francisco

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...